Latino-americanos por um futuro sustentável da América Latina em tempos de pandemia e crise planetária

Um grupo de personalidades latino-americanas, entre os quais os ex-presidentes do Chile Ricardo Lagos e do México, Felipe Calderón, que inclui ex-ministros do meio ambiente, membros da academia, setor privado e sociedade civil, lançaram hoje a declaração “Princípios para um futuro sustentável da América Latina em tempos de pandemia e crise planetária”. A declaração dirigida da América Latina ao mundo enfatiza a natureza sistêmica e interdependente das políticas públicas e privadas e promove um conjunto de recomendações para o renascimento sustentável da região, onde o conhecimento científico, a solidariedade, uma nova maneira de fazer negócios, cooperação e complementaridade, além de um Estado moderno e inclusivo, visam avançar em direção a uma economia de bem-estar, não apenas ao crescimento. O CIRAT também assina a declaração. Veja abaixo:

 

27.05.2020.

Como o mundo enfrenta a pior crise desde a Segunda Guerra Mundial e os Estados tentam responder à emergência econômica e de saúde, a pandemia expôs uma crise sistêmica de saúde, clima e perda da biodiversidade, resultante da relação da espécies humanas com a natureza. Isso revela a interdependência entre nações e ecossistemas e a fragilidade a que estamos expostos, como apontado por um grupo de líderes latino-americanos que hoje lançaram a declaração de “Princípios para um futuro sustentável da América Latina em tempos de crise pandêmica e planetária”.

A situação atual mostra elementos comuns entre os países latino-americanos, como sua alta vulnerabilidade e sua baixa capacidade de enfrentar crises sistêmicas. Seus sistemas de saúde são precários e o acesso à água potável e serviços de saneamento é limitado. Além disso, cerca de 50% da força de trabalho trabalha em condições informais e sem uma rede de contenção social. Mais de 80% de seus habitantes vivem em áreas urbanas e geram uma demanda irracional por recursos, com padrões insustentáveis de produção e consumo que revelam ignorância ou desinteresse pelos limites do planeta.

No entanto, essa crise também se apresenta como uma oportunidade. Diante da emergência, os governos estão promovendo e adotando medidas econômicas e de saúde fundamentais. Entre eles, estão sendo promovidas novas ideias e reflexões sobre modelos de produção e consumo; A infraestrutura natural, seus bens e serviços e seus limites estão sendo valorizados; e a ciência tem sido justificada em decisões políticas. Da mesma forma, aprofunda-se no debate sobre quais atividades econômicas são capazes de responder aos desafios sociais e ambientais atuais e futuros e considerar várias soluções baseadas na natureza. Finalmente, há uma melhor compreensão da importância de outras crises sistêmicas de longo prazo, como as mudanças climáticas e a perda acelerada de recursos naturais; e é reconhecido que, em meio à incerteza, surgem reações de solidariedade.

Nesse novo cenário, um grupo de líderes da América Latina, com excelente compromisso ambiental, do meio acadêmico, empresas privadas, sociedade civil e ex-autoridades ambientais e culturais, apresentou hoje a declaração “Princípios para um futuro sustentável da América Latina, em tempos de pandemia e crise planetária”, que promove um conjunto de recomendações para um renascimento sustentável na região da América Latina. Os princípios enfatizam o conhecimento científico, solidariedade, cooperação e complementaridade entre nações e sugere que os planos de estímulo econômico incluam considerações climáticas e respeito pelos limites da natureza. Um instrumento essencial para isso é renovar os compromissos de clima e biodiversidade dentro da estrutura dos Objetivos de Desenvolvimento Sustentável (ODS).

A declaração reconhece que o mundo pós-pandemia não será o mesmo e que as crescentes demandas sociais enfatizam a necessidade de criar “um novo acordo para a natureza e as pessoas” que estabeleça os compromissos dos Estados e de outros atores em direção a uma estrutura eficaz para reverter os processos de perda e deterioração das condições naturais do planeta. A América Latina tem um enorme potencial e uma responsabilidade singular na tarefa de se reconectar com a natureza e o sistema da vida, pois compartilha elementos conhecimento cultural, linguístico, patrimonial e ancestral herdado de seus povos nativos, bem como um capital natural que oferece condições favoráveis ao desenvolvimento de uma estratégia de cooperação regional.

Como parte das ações complementares a esta declaração, seus promotores anunciaram que o diálogo será promovido por meio de eventos virtuais na forma de webinars de âmbito regional, cuja organização e datas serão anunciadas em breve. Indicam que, com esta declaração, pretendem iniciar um processo de profunda reflexão sobre uma nova maneira de olhar a região e gerar uma visão coletiva e sustentável para ela.

 

 Para um futuro sustentável, em 27 de maio de 2020, eles propõem:

– Yolanda Kakabadse, Equador, ex-presidente IUCN e WWF

– Jorge Caillaux, Peru, Presidente da Sociedade Peruana de Direito Ambiental

– Manuel Pulgar Vidal, Peru, Líder Global de Clima e Energia, WWF Internacional

– Rafael Asenjo, Chile, ex-presidente do Tribunal Ambiental de Santiago do Chile

– Pedro Tarak, Argentina, co-fundador do Sistema B.

– Miguel Pellerano, Argentina

– Juan Dumas, Argentina, Meliquina Ltd.

– Ramiro Fernández, Argentina, Diretor de Mudanças Climáticas, Avina

– Ignacio Pérez, Equador, Seriva

 

Eles assinam:

– Ricardo Lagos, Chile, Ex-Presidente da República

– Felipe Calderón Hinojosa, México, Ex-Presidente da República

– Christiana Figueres, Costa Rica, Fundadora do Otimismo Global

– Marina Silva, Brasil, Ex-Ministra do Meio Ambiente, Ex-Senadora do Acre

– Guilherme Leal, Brasil, Fundador Natura

– Tarsicio Granizo, Equador, Diretor WWF Equador, Ex-Ministro do Meio Ambiente

– Izabella Texeira, Brasil, Ex-Ministra do Meio Ambiente do Brasil

– Ana Lya Uriarte, Chile, Ex-Ministra do Meio Ambiente

– Grethel Aguilar Rojas, Costa Rica, Diretor Geral Interino da UICN

– Gonzalo Muñoz Abogabir, Chile, campeão de alto nível da ação climática COP25

– Salomón Lerner Febres, Peru, Reitor Emérito da Pontifícia Universidade Católica do Peru

– Oded Grajew, Brasil, fundador do Instituto Ethos

– Charly Alberti, Argentina, Fundadora da Revolução 21 América Latina Sustentável / Músico

– Julia Carabias, México, ex-secretária do Ministério do Meio Ambiente, Recursos Naturais e Pescas SEMARNAP, Sócio Fundador da CEIBA

– Eduardo Dockendorff V., Chile, Ex-Ministro Secretário Geral da Presidência

– Claudio Maretti, Brasil, ex-presidente do Instituto Chico Mendes de Conservação da Biodiversidade

– Marcelo Mena, Chile, ex-ministro do Meio Ambiente

– Lucía Ruiz, Peru, ex-ministra do Meio Ambiente e Recursos Naturais

– Juan Mayr, Colômbia, ex-ministro do Meio Ambiente

– Roque Sevilla, Equador, ex-prefeito de Quito

– Diana Alvarez Calderón, Peru, ex-ministra da Cultura

– Boy Olmi, Argentina, ator, diretor e comunicador

– Manuel Rodriguez Becerra, Colômbia, ex-ministro do Meio Ambiente

– José Carlos Carvhallo, Brasil, ex-ministro do Meio Ambiente

– Andreas Lehnoff, Guatemala, diretor regional do WWF, ex-ministro do Meio Ambiente

– Roberto Troya, Equador, Diretor Regional da América Latina, WWF

– Gabriel Baracatt, Bolívia, Diretor Executivo, Fundación AVINA

– Alberto de Belaúnde, Peru, congressista da República

– Julio C. Saguier, Argentina, cidadão

– Marta Echavarria, Equador, Presidente da Fundação Futuro Latinoamericano

– Mariano Castro, Peru, ex-vice-ministro de gestão ambiental

– Carlos Loret de Mola, Peru, Ex-Presidente do Conselho Nacional de Meio Ambiente

– Marc Dourojeanni, Peru, Professor Emérito, Universidade Nacional Agrária, Peru

– Nicolas Lucas, Argentina, ex-diretor executivo Fundación Futuro Latinoamericano

– Pablo Lloret, Equador, Diretor Executivo Latin American Future Foundation

– Gustavo Manrique, Equador, Presidente da Premios Latinoamérica Latinoamérica

– Daniel Sabsay, Argentina, Presidente do Conselho Consultivo da Fundação para o Meio Ambiente e Recursos Naturais (FARN)

– Moises Naim, Venezuela, Analista político / econômico

– Alejandro Gaviria, Colômbia, Reitoria da Universidade dos Andes

– Marianela Curi, Bolívia, ex-diretora da Fundación Futuro Latinoamericano

– Raúl Gauto, Paraguai, Presidente, Florestal Sylvis SA

– Patricia Ruiz-Bravo, Peru, Reitor da Faculdade de Ciências Sociais da Pontifícia Universidade Católica do Peru

– María Emilia Correa, Colômbia, cofundadora do Sistema B

– Aaron Cavieres, Chile, ex-diretor executivo da National Forest Corporation (CONAF)

– Javier Simonetti, Chile, Professor Universidade do Chile

– Hernan Verscheure, Chile, membro do Conselho do CODEFF

– Enrique Piedra Cueva, Uruguai, ex-membro do Conselho da Fundación Futuro Latinoamericano

– Rachel Biderman, Brasil, ex-membro do Conselho da Fundación Futuro Latinoamericano

– Roberto Zahler, Chile, ex-presidente do Banco Central

– Ricardo Abramovay, Brasil, Sociólogo, Universidade de São Paulo

– Martin von Hildebrand, Colômbia, cidadão

– Alex Pryor, Argentina, Chefe de Cartilha e Semeador, Guayaki Yerba Mate

– Juan Pablo Larenas, Chile, diretor executivo B Lab Global

– Nicolas Cock, Colômbia, Presidente da Biolegacy; Presidente, Sistema B Colômbia

– René Calpachay, Argentina, Atacameño, Presidente, Povos Originais

– Jorge Gronda, Argentina, motorista de povos originais

– Mary Kalin, Chile, Professora Titular Universidade do Chile – IEB

– Osvaldo Rosales, Chile, ex-diretor da Divisão de Comércio e Integração Internacional, CEPAL

– Marie Claide Plumer, Chile, ex-chefe da Divisão de Sanções e Compliance, Superintendência de Mídia e Meio Ambiente

– Maisa Rojas, Chile, Diretora do Centro de Ciências do Clima e Resiliência (CR)

– Marcel Fukayama, Brasil, Diretor Executivo, Sistema B Internacional

– Tomás de Lara, Brasil, cofundador das cidades + B; -As cidades podem B

– Fernando Barbera, Argentina, Mendoza, co-fundador da Valos- Mendoza

– Víctor Mochkovsky, Argentina, Córdoba, Membro do Conselho de Administração do Sistema B Argentina

– Castellanos alemães, Argentina, Córdoba, Mercado Abasto

– Rafael Kemelmajer, Argentina, Mendoza, co-fundador da Quinto Impacto

– Nicolás Shea, Chile, fundador da Cumplo e Start Up Chile

– Pedro Friedrich, Argentina, Presidente da Tonka e Sistema B Argentina

– Guillermo Espinoza, Chile, diretor responsável pelo meio ambiente, Centro de Estudos do Desenvolvimento (CED)

– Martín Beaumont, Peru, Decano da Faculdade de Administração e Administração Sênior, PUCP

– José Antonio Talledo, Peru, diretor do Sistema B Peru

– Silvia María de Silveira Loureiro, Brasil, Professora, Clínica de Direitos Humanos e Direito Ambiental, Universidade de Estado do Amazonas

– Javier Portocarrero, Peru, economista

– Ricardo Cuenca, Peru, Diretor do Instituto Geral de Estudos do Peru

– Valentina Durán Medina, Chile, Diretora do Centro de Direito Ambiental Univ. De Chile

– Mauricio Madrigal, Colômbia, Diretor, Clínica Clínica MASP Universidade dos Andes

– Matías Kelly, Argentina, Somatório

– João Paulo Capobianco, Brasil, Ex Secretário Nacional de Biodiversidade e Florestas e Ex Secretário Executivo do Ministério do Meio Ambiente do Brasil

– Felipe Macías Fernández, Colômbia, Crepes e Waffles

– Ivette Johnson, Peru, Diretora Executiva do Sistema B Peru

– Mercedes Viola, Uruguai, co-presidente do Sistema B Uruguai

– Pedro Jacobi, Brasil, Universidade de São Paulo

– Bebo Gold, Uruguai, Diretor Executivo Sistema B Uruguai

– Natalia Hughes, Uruguai, copresidente Sistema B Uruguai

– Andes Silva Chave, Paraguai, OKARA e ARCA

– Giselle Della Mea, Uruguai, Fundadora 3vetores – Co-fundadora Sistema B Uruguai

– Mireia Villar Forner, Uruguai, Coordenadora Residente das Nações Unidas no Uruguai

– Isabel Calle Valladares, Peru, Diretora Executiva da Sociedade Peruana de Direito Ambiental – SPDA

– Santiago Campos Cervera, Paraguai, ARCA LATAM

– José Ignacio Morejón, Equador, Diretor Executivo do Sistema B Equador

– Alonso Perez, Equador, Cidadão

– Pedro Solano, Peru, ambientalista e músico

– Luis Campos Baca, Peru, Associação das Universidades Amazônicas do Peru (UNAMAZ)

– Victor Zambrano, Peru, Comitê de Gestão, Reserva Nacional Tambopata

– Thais Corral, Brasil, fundador e diretor do Centro de Regeneração de Sinal do Vale

– Bruno Monteferri, Peru, Diretor Conservamos por Naturaleza

– Carolina Landin, Equador, Produbancc

– Flavia Silva Scabin, Brasil, Diretora do Centro de Direitos Humanos e Empresas, Fundação Getulio Vargas

– Felipe Fernández, México, plataforma de CEOs dos parceiros fundadores

– Maria Paz Cigarán, Peru, fundadora Libélula

– Baltazar Caravedo Molinari, Peru, Professor, Faculdade de Administração e Administração Sênior, PUCP

– Anna Zucchetti, Peru / Itália, fundadora do Grupo GEA y de Periferia S.A.

– Evangelina Gomez Durañona, Equador, CERES

– Sandra Reed, Equador, Presidente Sistema B Equador

– Jorge Arturo Cabrera Hidalgo, Guatemala

– Eduardo Gastelumendi, Peru, ex-presidente da Sociedade Peruana de Psicanálise

– Vinicio Leiva, Equador, KFC Equador

– Flavia Liberona, Chile, diretora executiva da Fundação TERRAM

– Marcela Brunaud, Chile, Sócia Fundadora COMUNICAMBIENTE SpA

– Angelica Beas, Chile, ex-diretora de relações públicas CODELCO CHILE

– Juan Carlos Godoy, Guatemala, ex-vice-presidente da Comissão Mundial de Áreas Protegidas WCPA para a América Central

– Walter Arensberg, EUA, ex-chefe da Divisão de Meio Ambiente do Banco Interamericano (BID)

– Katherine Kenrick, Chile, Coordenadora do Parque Andino Juncal

– Hernan Mladinic, Chile, ex-diretor executivo Tompkins Conservation-Chile

– Jorge Cash, Chile, ex-promotor do Ministério do Meio Ambiente

– Ximena Insunza, Chile, Professora-Pesquisadora, Centro de Direito Ambiental, Universidade do Chile

– Dominique Herve, Chile, Diretora do Programa de Direito e Política Ambiental, Universidade Diego Portales

– Cristian Franz, Chile, ex-superintendente de meio ambiente

– James Hamilton, Chile, Cirurgião Médico Presidente do Partido com Todxs

– Fabio Vaz Ribeiro de Almeida, Brasil, Coordenador Executivo do Instituto Sociedade, População e Natureza (ISPN).

– Mary Lou Higgins, Colômbia, Diretora Executiva WWF Colômbia

– Pablo Lumerman, Argentina, Facilitador. Estudo do Vale.

– Mauricio Bianco, Brasil, vice-presidente da CI Brasil

– Mauricio Voivodic, Brasil, Diretor Executivo WWF Brasil

– Francisco Murray, Argentina, Diretor Executivo, Sistema B Argentina

– Lucas Campodónico, Argentina, diretor da bioguia.com

– Sergio Ribeiro, Brasil, Diretor Geral do Centro Internacional de Água e Transdisciplinaridade – CIRAT

– Rumi Regina Kubo, Brasil, Presidente da Sociedade Latino-Americana de Etnobiologia – SOLAE

– Flavio Becerra Barros, Brasil, Presidente da Sociedade Brasileira de Etnobiologia e etnoecologia (SBEE)

– Ma. Cecilia Wey de Almeida Brito, Brasil, EKOS

– Emilio Méndez Saúl, Guatemala, Narrativa da Nova Guatemala

– Ernesto Moreno, Costa Rica, Presidente Yuxta Energy e Sistema B América Central e Caribe

– Juan Pedro Piñeirúa, Uruguai, Representante do Grupo Impulso Creativo

– Francine Lemos, Brasil, Diretora Executiva do Sistema B Brasil

– Elisa Patiño, Panamá, Diretora Executiva Sistema B América Central e Caribe

– Angela María Camacho, EUA, Presidente do Sistema B Internacional

– Álvaro Diaz, Chile, ex-subsecretário de Economia, coordenador do fórum para o desenvolvimento justo e sustentável

– Andras Uthoff, Chile, ex-oficial responsável, Divisão de Desenvolvimento Social, CEPAL

– Kurt Holle, Peru, Diretor WWF Peru

– Roberto Waack, Brasil, Sócio Fundador Amata S.A. e Coaliçao Brasil Clima, Floresta e Agricultura

– Ana Tonni, Brasil, diretora executiva do Instituto Clima e Sociedade, ex-presidente do Greenpeace Internacional

– Ana Patricia Muñoz, Equador, Diretora do Grupo Faro

 

 

 

Categorias: Destaques, Notícias